domingo, junho 22

Seção TOP 5 - nº 3

TOP 5
Nº 3


5 FILMES PREDILETOS

***


EDER FERNANDES


1 - TOURO INDOMÁVEL(Raging Bull, EUA)
Só Deus sabe o quanto este filme me comove.

2 - APOCALYPSE NOW (Apocalypse Now, EUA)
O vi, salvo engano, cinco ou seis vezes. Pouco ainda.

3 - OITO E MEIO (8 ½, Itália)
Tipo de filme que é muito bom para não constar em minha lista.

4 - BLOWUP - DEPOIS DAQUELE BEIJO (Blowup, ITÁLIA/UK)
Um filme pedagógico. Bem ao estilo "para entender o cinema".

5 - TAXI DRIVER(Taxi Driver, EUA)

Assim como Raging Bull, sei algumas falas de cor. Assim como Raging Bull, o vi algumas dezenas de vezes. Obra inesgotável.

---------------------------------------------------------------------------------

DANIEL OLIVEIRA

1 - 2001: UMA ODISSÉIA NO ESPAÇO (2001: A Space Odissey, EUA)
Foram precisos 1968 anos da era cristã para se realizar esta obra. Provavelmente a criação de algo à altura só será pensável a partir do ano de 3936. Não estou reclamando.

2 - RASTROS DE ÓDIO (The Searchers, EUA)
Quando os sociólogos e antropólogos vierem lhe dizer que gênios não existem, você tem duas opções: ou você os faz escutar a 9ª de Beethoven, ou lhes mostra Rastros de Ódio, de John Ford.

3 - O PIANO(The Piano, AUSTRÁLIA/EUA)

Jô Soares, um cinqüentão, afirma ter assistido Cidadão Kane mais de 30 vezes. Sou bem mais jovem que Jô e só assisti a O Piano umas 13 vezes – pretendo chegar aos 100. A 1ª vez foi num longínquo trabalho de escola. A 2ª, vista numa fase menos apalermada, foi para alimentar a fome cinéfila. As outras 11 foram por causa de Holly Hunter. E as próximas 87 também serão.

4 - O HOMEM QUE COPIAVA (BRASIL)

O primeiro filme que eu admirei passionalmente de fato.

5 - A NOITE (La Notte, ITÁLIA)

Minha primeira grande experiência intelectualóide do audiovisual.


---------------------------------------------------------------------------------
DAVI LARA

1 - CONDENAÇÃO (Kárhozat, HUNGRIA)

A cena inicial sintetiza muito do que vem depois e é a minha cena predileta do cinema; a lassidão, a fumaça do cigarro, o preto em branco. Muito mais que o argumento propriamente dito, o distinto em Condenação é a sua atmosfera, opressora, daninha. O filme atinge o ápice nas cenas mais misteriosas como o confronto do homem com o cão ou o sapateador solitário e inadequado. Não sei dizer exatamente porque o primeiro lugar, mas nunca titubeei.

2 - AMOR À FLOR DA PELE (Fa yeung nin wa, HONG KONG)

Lembro-me da cena na qual os cabelos da moça voam enquanto corre uma escada acima com uma tigela de macarrão. Lembro-me do vapor que as panelas que cozinham o macarrão libaram quando destampadas. Lembro-me da estampa do papel de parede da casa da moça. Lembro-me também do ambiente monótono do apartamento vizinho. Lembro-me de inúmeros detalhes, de inúmeras sensações. O que me escapa à memória não desabilita uma das mais intensas experiências cinematográficas que tive. Ao contrário: ressalta sua importância.

3 - GRITOS E SUSSURROS (Viskningar och Rop, SUÉCIA)

Algum filme de Bergman teria que entrar em meu TOP 5. De acordo com minha preferência pela concisão e pela poesia, Gritos e Sussurros é a escolha inevitável.

4 - KRAMER VS KRAMER(Kramer Vs Kramer, EUA)

Este filme não entraria nesta lista se eu não o tivesse re-assistido por acaso há poucos dias. As atuações são impressionantes (destaque para Dustin Hoffman e Meryl Streep) e toda a delicadeza com que aborda o tema faz-nos penetrar no mundo alheio. Poucos filmes conseguiram grau tão elevado de sinceridade. Mesmo consciente da sua singeleza, é difícil ficar aparte. Talvez esta mesma simplicidade seja uma das características principais.

5 - 2001: UMA ODISSÉIA NO ESPAÇO (2001: A Space Odissey, EUA)

Todos que conhecem minhas preferências se espantarão com falta de Kurosawa ou de Lynch neste TOP 5. Assim como o envolvimento parcial com o quarto lugar foi preponderante, uma avaliação refletida não me deixa escolha quanto à quinta colocação. Impossível negligenciar a perfeição atingida por 2001.


---------------------------------------------------------------------------------
RODRIGO L.

1 - O PODEROSO CHEFÃO (The Godfather, EUA)

Coppola faz da máfia uma arte. Há qualquer coisa de Grécia, de Roma nas intrigas e reviravoltas dos Corleone - momento raro em que me permito a apreciação do pendor para o Gigante em películas. Talvez a continuação, de fato, seja superior (por ser mais ampla) - mas está nesta primeira fita todo um impacto que jamais poderá se repetir.

2 - OS INCOMPREENDIDOS (Les 400 Coups, FRANÇA)

Jules et Jim melhora a cada sessão que me imponho, mas, ainda que repetido infinitas vezes, jamais alcançará o nível de Os Incompreendidos - sei, apenas, que Doinel é o maior sofredor do cinema: ao fim da película, nem eu, que me compadeço de sua situação, consigo compreender o seu olhar perdido.

3 - TAXI DRIVER (Taxi Driver, EUA)

Um filme em que toda cena é pensada para ser clássica e, mais do que isso, perturbadora. A sordidez de NY e de Travis Bickler se encontram e travam duelos aos quais ninguém passa imune.

4 - A NOITE (La Notte, ITÁLIA)

O máximo de sobriedade na câmera. O máximo de inteligência e concisão nos diálogos. Como não bastasse, atua um trio do qual Antonioni consegue tirar também o máximo: Mastroianni, Moreau e Vitti encenam a mais contundente e elegante crise de relacionamento do cinema.

5 - OITO E MEIO (8 1/2, ITÁLIA)

Sobre a sua memória, Guido confronta, cheio de dor e ironia, a eterna e incontornável questão: até que ponto vida e obra convivem harmoniosamente? Fellini produz, com a maestria que lhe é típica, a mais bem acabada representação cinematográfica do artista - falhado, egocêntrico, vaidoso e compassivo, Guido sai das telas direto para as antologias.

Um comentário:

Rocket Man disse...

Todos são filmes muito bons.
A seleção do Daniel Oliveira seria a melhor se tirasse "O Piano".